Estação São João do Tauape


por Larissa Coriolano e Renan Marinho


           O ArqPET tem desenvolvido um exercício de análise dos bairros nos quais as estações do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) estão sendo implantadas. Dando continuidade a esse exercício, analisaremos agora o bairro São João do Tauape.
        Foi elaborado um arquivo no formato KMZ (tipo de arquivo compatível com o Google Earth, no qual se pode localizar a estação. O arquivo está disponível aqui. Para a análise foi utilizado o ArcGIS, software que possibilita a espacialização e o georreferenciamento de dados, e elaboraram-se mapas acerca dos seguintes assuntos: Hierarquia Viária, Verticalização, Escolaridade e População.

                O mapa a seguir se trata da Hierarquia Viária. Pode-se observar que o acesso principal a estação se dá por meio de ruas, havendo uma avenida (Raul Barbosa) situada dentro do raio de caminhabilidade de 500 metros. Esse aspecto é importante no sentido em que a proximidade da estação à avenida permite uma maior integração às linhas de ônibus e do transporte público. Nota-se também a existência de outras avenidas próximas, porém fora do raio de caminhabilidade. É de se esperar, ainda, um aumento no fluxo de pedestres nesses quase 500 metros entre a estação e a Raul Barbosa.
               O raio de caminhabilidade engloba os assentamentos informais próximos, como a comunidade do Lagamar, servindo a essa parcela da população mais carente.
             Pelo mapa do número de moradores, observa-se que a estação está inserida na região do bairro onde a concentração populacional é maior. Isso significa que ela estará servindo uma grande quantidade de pessoas, mas em contrapartida uma parcela significativa de moradores também será removida, tendo em vista a mancha do Decreto de Desapropriação do VLT (Decreto Nº 30.263/2010). Ele declara a área de utilidade pública passível de desapropriação. Baixe o decreto em formato PDF no link.
                 Outra questão é ver que o projeto da estação só se volta para o lado norte e possui apenas uma escada bem pequena para o lado sul. Além disso, haverá complicação quanto à ligação dos moradores do Lagamar com o resto do bairro, visto que eles ficarão “ilhados” entre o muro do VLT  e o canal.


                Pelo mapa de Verticalização, nota-se que o número de domicílios tipo apartamentos da região no qual se encontra a estação é um dos menores do bairro, revelando o baixo poder aquisitivo da população. Essa observação se comprova com a análise da escolaridade: a área onde a estação está inserida é onde, de maneira geral, estão os menores índices de escolaridade do bairro, enquanto os maiores índices se concentram na porção norte do São João do Tauape. É também interessante notar, que onde há verticalização não é onde está o maior número de pessoas. Isso é uma contradição e revela a desigualdade no bairro: onde tem verticalização, é onde tem menor população e maior escolaridade.



Comentários

  1. SOU MORADOR DA REGIÃO. CONTUDO ACHO QUE O TERMINAL DEVERIA SER CONSTRUIDO UM POUCO MAIS A FRETE AO FINAL DA EVARISTO REIS , POIS FICAVA MAIS PERTO DA RAUL BARBOSA QUE TEM PARADA DE ÔNIBUS.

    ResponderExcluir
  2. Também acho pois lá mais pra dentro do bairro é mais perigoso pra descer a noite

    ResponderExcluir
  3. Sou morador do bairro São João do Tauape (Parte Sul) . Acredito que seria mais interessante fazer essa obra um pouco mais próximo da av. Raul Barbosa, por se tratar de uma avenida movimentada e também resolveria em parte, a problemática da segurança e melhoraria o comércio local. Pois, a precariedade de desenvolvimento nos bairros adjacentes é muito grande.

    ResponderExcluir
  4. Tenho um apto. próx. do local, e concordo que a estação sendo construída mais a frente, seria de grande valia. Pois, ficaria próx. a uma rua pavimentada, no caso, a rua Evaristo Reis, que tem fácil acesso a avenida Raul Barbosa. Tanto indo, quanto vindo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário